sexta-feira, outubro 23, 2009


O dia em que a terra parou

13

Isto não é sobre o filme de Keanu Reeves,apesar da foto.Hoje resolvi falar sobre os 5 maiores acontecimentos que fizeram a terra parar e centrar seus olhos apenas para as telas das TVs,Guerras,ataques, e mortes fizeram com que a população mundial tivesse um só foco.Vamos a lista:
Ataque Terrorista as Torres Gêmeas em Nova York


Os ataques de 11 de Setembro designam uma série de ataques terroristas perpetrados nos Estados Unidos da América no dia 11 de setembro de 2001, uma terça-feira, envolvendo o seqüestro de quatro aviões de passageiros:
• Voo 11 da American Airlines, um Boeing 767-223 partiu de Boston, Massachusetts com destino a Los Angeles, California as 7:59. Colidiu com o lado norte da torre norte (North Tower) do World Trade Center entre os andares 94 e 98 às 8:46:26, hora local a uma velocidade aproximada de 789 km/h[1]. Neste avião viajavam 81 passageiros, 9 assistentes de bordo e 2 pilotos.[3][4]
• Voo 175 da United Airlines, um Boeing 767-222, partiu de Boston, Massachusetts com destino a Los Angeles, Califórnia as 8:13, hora local. Colidiu com o lado sul da Torre Sul (South Tower) do World Trade Center entre os andares 78 e 84 as 9:02:54, hora local a uma velocidade superior a 805 km/h[1]. 2 pilotos, 7 assistentes de bordo e 56 passageiros viajavam a bordo deste avião.[3][4]
• Voo 77 da American Airlines, um Boeing 757-223 partiu de Dulles, Virgínia com destino a Los Angeles, Califórnia às 8:20, hora local (com 10 minutos de atraso). É geralmente aceito que este avião colidiu com o Pentágono. O Pentágono afirma que a colisão ocorreu às 9:37, hora local. Neste avião viajavam 58 passageiros, 4 assistentes de vôo e 2 pilotos.[3][4]
• Voo 93 da United Airlines, a Boeing 757-222 partiu de Newark, Nova Jérsei com destino a São Francisco, Califórnia. Os destroços deste avião foram encontrados espalhados num campo próximo de Shanksville, Pensilvânia. Neste avião viajavam 38 passageiros, 5 assistentes de bordo e 2 pilotos. Este avião teria possivelmente sido abatido ou eventualmente caído devido a confrontos diretos entre os passageiros revoltosos e os seqüestradores. A queda do avião deu-se às 10:06, hora local. Provavelmente estaria destinado ao Capitólio..[3][4][5]
Com freqüência as pessoas se referem aos ataques como "o 11 de Setembro", em razão deles terem ocorrido no dia 11 de setembro de 2001.
Sendo terça-feira, os vôos domésticos nos Estados Unidos transportam poucos passageiros, tornando um vôo mais fácil de ser seqüestrado.
Vítimas
Um bombeiro de Nova Iorque solicita mais dez socorristas para trabalharem junto aos escombros do World Trade Center.
As perdas humanas nos ataques de 11 de Setembro de 2001 foram elevadas: 265 nos aviões; pelo menos 2752 pessoas, incluindo 242 bombeiros, no World Trade Center e 125 no Pentágono. 3234 pessoas faleceram. Além das Torres Gêmeas de 110 andares do World Trade Center, 5 outras construções nas proximidades do World Trade Center e 4 estações subterrâneas de metrô foram destruídas ou seriamente danificadas. No total, foram 25 prédios danificados em Manhattan. Em Arlington, uma parte do Pentágono foi seriamente danificada pelo fogo e outra parte acabou desmoronando.

Dilvugação pública de fotos de pessoas desaparecidas após o atentando.
Alguns passageiros e tripulantes efetuaram chamadas telefônicas dos vôos seqüestrados. Um total de 19 seqüestradores foram posteriormente identificados, 4 no vôo 93 da companhia United Airlines e 5 nos outros vôos. Segundo informações, os seqüestradores assumiram o controle das aeronaves usando facas para matar as atendentes de bordo, pilotos, e/ou pelo menos um passageiro. No vôo 77 da American Airlines, um dos passageiros relatou que os seqüestradores estavam na posse de punhais. Foi relatado o uso de um determinado tipo de spray químico nocivo, para manter os passageiros longe da primeira classe nos vôo 11 da American Airlines e 175 da United Arlines. Foram feitas ameaças de bomba em 3 dos 4 aviões seqüestrados, não tendo o vôo 77 da American Airlines registrado ameaça de bomba.
A Guerra do Iraque


A Guerra do Iraque também referida como Ocupação do Iraque[2] ou Segunda Guerra do Golfo,[3] ou Terceira Guerra do Golfo ou ainda como Operação Liberdade do Iraque (em inglês: Operation Iraqi Freedom),[4] é um conflito em curso que começou a 20 de Março de 2003 com a invasão do Iraque, liderada pelos Estados Unidos.
A principal justificativa para a guerra oferecida pelo presidente norte-americano George W. Bush, pelo ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, e os seus apoiantes foi de que o Iraque estava a desenvolver armas de destruição maciça.[5][6] Estas armas, argumentava-se, ameaçavam os Estados Unidos, os seus aliados e os seus interesses.[7] No discurso do estado da União de 2003, Bush defendeu que os Estados Unidos não poderiam esperar até que a ameaça do líder iraquiano Saddam Hussein se tornasse eminente.[8][9] Após a invasão, no entanto não foi encontrada nenhuma prova da existência de tais armas. Para justificar a guerra, alguns responsáveis norte-americanos referiram também que havia indicações de que existia uma ligação entre Saddam Hussein e a Al-Qaeda. Apesar disso não foram encontradas provas de nenhuma ligação substâncial à Al-Qaeda.[10]
A guerra começou a 20 de Março de 2003, quando forças largamente americanas e britânicas, apoiadas por pequenos contingentes da Austrália, da Dinamarca e da Polônia invadiram o Iraque. A invasão levou pouco tempo até à derrota e à fuga de Saddam Hussein. A coligação liderada pelos Estados Unidos ocupou o Iraque e tentou estabelecer um governo democrático; no entanto falhou na tentativa de restaurar a ordem no Iraque. A instabilidade levou a um conflito assimétrico com a insurgência iraquiana, guerra civil entre entre muitos iraquianos sunitas e xiitas e as operações da Al-Qaeda no Iraque. Como resultado do seu fracasso em restaurar a ordem, um número crescente de países retiraram as suas tropas do Iraque. As causas e consequências da guerra mantêm-se controversas.
Guerra do Afeganistão


A invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos iniciou-se em outubro de 2001, em resposta aos atentados de 11 de Setembro de 2001 contra os Estados Unidos. Também marca o início da guerra contra o terrorismo, cujo objetivo é capturar o líder da al-Qaeda, Osama Bin Laden. A Aliança do Norte, formada por grupos hostis à milicia afegã Talibã, proporcionou a maior parte das forças terrestres, enquanto os Estados Unidos e a OTAN têm fornecido na fase inicial, o apoio tático, aéreo e de apoio logístico. Na segunda fase, após a recaptura de Cabul, as tropas ocidentais têm aumentado a sua presença a nível local. Nos EUA, a guerra é também conhecida pelo nome militar de "Operação Liberdade Duradoura". Os Estados Unidos por meio da "Doutrina Bush" afirmou que, como política, não há distinção entre a Al-Qaeda e as nações que abrigam eles. A finalidade oficial da invasão é destruir a al-Qaeda, negando a possibilidade de circular livremente no Afeganistão através da derrubada do regime talibã.
Duas operações militares no Afeganistão procuram estabelecer controle sobre o país. A "Operação Liberdade Duradoura" (Operação Enduring Freedom - OEF) é uma operação que envolve Estados Unidos luta contra a coalizão e de alguns parceiros que operam principalmente no leste e sul do país, ao longo das fronteiras com o Paquistão. Cerca de 28.300 tropas da OEF são dos EUA. A segunda operação é a Força Nacional de Assistência para Segurança (ISAF), inicialmente criada pelo Conselho de Segurança da ONU no final de Dezembro de 2001 para garantir Cabul e seus arredores. A OTAN assumiu o controle da ISAF em 2003. Até Dezembro de 2008, a ISAF possuía cerca de 51.350 soldados de 41 países, com os membros da OTAN proporcionam o núcleo da força. Os Estados Unidos tem cerca de 19.950 tropas na ISAF.
O ataque inicial removeu o Taliban do poder, mas forças talibãs já recuperaram sua força. A guerra tem sido menos bem sucedida na consecução do objetivo de restringir o movimento al-Qaeda. Desde 2006, o Afeganistão tem visto as ameaças à sua estabilidade do aumento do Taliban levou a atividade insurgente, recordes altos nos níveis de produção de drogas ilegais, e um frágil governo com controle limitado fora de Cabul. No final de 2008, a guerra não foi vencida no seu principal objetivo de capturar Osama bin Laden.
Terramoto/Tsunami ocorrida no oceano Índico de 2004


O Terramoto (português europeu) ou Terremoto (português brasileiro) do oceano Índico de 2004 ocorreu a 26 de Dezembro daquele ano, por volta das oito da manhã na hora local da região de seu epicentro, em pleno oceano (devendo por isso ser designado como maremoto), a oeste da ilha de Sumatra, nas coordenadas 3,298°N latitude e 95,779°O longitude. O abalo teve magnitude sísmica estimada primeiramente em 8,9 na Escala de Richter, posteriormente elevada para 9,0[1], sendo o sismo mais violento registado desde 1960 e um dos cinco maiores dos últimos cem anos. Ao tremor de terra seguiu-se um tsunami de cerca de dez metros de altura que devastou as zonas costeiras (veja animação em baixo). O tsunami atravessou o Oceano Índico e provocou destruição nas zonas costeiras da África oriental, nomeadamente na Tanzânia, Somália e Quénia.
O terremoto foi causado por ruptura na zona de subducção onde a placa tectónica da Índia mergulha por baixo da placa da Birmânia. A área de ruptura está calculada em cerca de 1,200 km de comprimento e a deslocação relativa das placas em cerca de 15 m. Este deslocamento pode parecer pouco, mas em condições normais as placas oceânicas movimentam-se com velocidade da ordem do milímetro por ano. A energia libertada provocou o terramoto de magnitude elevada, enquanto que a deslocação do fundo do oceano, quer das placas tectónicas quer de sedimentos remobilizados pelo abalo, deram origem ao tsunami e alteração na rotação da Terra.
O número de vítimas, que era de aproximadamente 150.000, elevou-se para 220.000 quando o governo da Indonésia suspendeu as buscas por 70.000 desaparecidos e os incluiu no saldo de vítimas fatais do desastre.
Os países mais afetados foram:
• Sri Lanka, com milhares de mortos e milhões de desalojados; o estado de emergência nacional declarado
• Índia, nomeadamente os estados de Tamil Nadu, Andhra Pradesh e os arquipélagos Andaman e Nicobar onde algumas ilhas foram totalmente submersas
• Indonésia, ilha de Sumatra estado de Banda Aceh
• Tailândia, especialmente as estâncias turísticas das Ilhas Phi Phi e Ilhas Phuket
• Malásia
• Ilhas Maldivas, onde dois terços da capital, Malé, foram inundados pelo tsunami
• Bangladesh
Soma das vítimas
Países onde as mortes ocorreram:Indonésia,Sri Lanka,Índia,Tailândia,Somália,Mianmar,Malásia,Maldivas,Seychelles,Tanzânia,Bangladesh,África do Sul,Quênia,Iêmen,Madagascar,chegam a
1,5 milhão
1 Inclui aqueles relatados nos "confirmados". Se não há estimativas separadas disponíveis, o número nesta coluna será o mesmo dos "confirmados".
2 Não inclui as aproximadamente 19000 pessoas tidas como desaparecidas por algumas autoridades locais.
3 Os dados incluem pelo menos 2464 estrangeiros.
4 Não inclui os cidadãos sul-africanos que morreram fora da África do Sul (por exemplo, turistas na Tailândia).
A morte de Michael Jackson


Michael Jackson, 50 anos, faleceu dia 25 de junho quinta-feira, às 18h26 (horário de Brasília). A informação é oficial do Hospital da Universidade da California, em Los Angeles, nos Estados Unidos. Familiares de Jackson e muitos fãs foram até o hospital prestar homenagens ao cantor.
Às vésperas de uma turnê de shows em Londres, o cantor sofreu uma parada cardíaca em sua casa, em Bel Air, e foi levado de ambulância para o hospital (cerca de seis minutos da residência). Segundo o jornal "Los Angeles Times", fontes policiais afirmaram que ele foi declarado morto pelos médicos após chegar ao hospital em coma profundo.
Na foto acima (do site "ETonline), Michael está em uma maca, amparado pelos paramédicos, ao sair de sua mansão.
O socorro foi chamado às pressas à casa de Michael pouco depois do meio-dia (horário americano) desta quinta-feira. O capitão Steve Ruda, responsável pela equipe de resgate, afirmou que os paramédicos da ambulância verificaram que o cantor não estava respirando, e foi realizada uma massagem cardíaca em Michael dentro do veículo de socorro.
As circunstâncias da morte de Jackson ainda não estão totalmente esclarecidas. O Instituto de Medicina Legal confirmou a morte por infarto. Para o Departamento de Polícia de Los Angeles, não há indícios de infrações penais. De qualquer maneira será aberta uma investigação para esclarecer o fato.
A turnê de shows do astro do pop em Londres foi adiada. Muito se especulou a respeito da saúde do cantor, principalmente quando o jornal "The Sun" publicou em nota que Michael sofreria de um câncer de pele.
Segundo amigos próximos, Jackson teria dito que tinha a certeza que morreria em breve.
O cantor estava se preparando fisicamente para a turnê com Lou Ferrigno, que viveu o herói "Hulk" em um seriado dos anos 1970. Ele era o personal trainer de Michael. O excesso de treinos já é apontado, pela mídia americana, como um dos prováveis motivos para o infarto.
Carreira
Nascido em 29 de agosto de 1958, Jackson começou a cantar e a dançar aos cinco anos de idade. Tornou-se um fenômeno aos 11, à frente do Jackson 5, onde cantava com seus irmãos.
Mas a consagração veio com a carreira solo. Cinco de seus álbuns de estúdio se tornaram os mais vendidos mundialmente de todos os tempos: "Off the Wall" (1979), "Thriller" (1982), "Bad" (1987), "Dangerous" (1991) e "HIStory: Past, Present and Future – Book I" (1995). "Thriller", inclusive, é até hoje o álbum mais vendido da história.
Michael foi o criador de um estilo totalmente novo de dança, utilizando especialmente os pés. Com suas performances no palco e clipes, Jackson popularizou uma série de complexas técnicas de dança.
No entanto, outros aspectos da sua vida pessoal, como a mudança de sua aparência, principalmente a da cor de pele devido ao vitiligo, geraram controvérsia significante a ponto de prejudicar sua imagem pública.
Em 1993 foi acusado de abuso de crianças, mas a investigação foi arquivada devido a falta de provas e Jackson não foi a tribunal. Depois, casou-se e foi pai de três filhos, todos os quais geraram controvérsia do público. O cantor teve experiências com crises de saúde desde o início dos anos 90 e sofreu também comentários sobre sua situação financeira. Em 2005, Jackson foi julgado e absolvido das alegações de abuso infantil.
O quinto e último abalo no caso “A morte de Michael Jackson”,causou comoção em todo mundo,todos os principais canais nacionais e internacionais falaram sobre o assunto,pessoas de sua geração e fora de sua geração derramaram lágrimas pela sua morte.
Para muitos ninguém imaginara que este dia chegaria mais chegou,apesar das circunstâncias misteriosa sobre sua morte.
O fato é que Michael Jackson será eternizado assi como Elvis e sempre haverá espaço dentro da cultura musical,sua dança era única,inspiradora...

13 Desabafos:

Maurício disse...

Eu lembro de todos esses acontecimentos ai. As torres gêmeas eu tinha uns 7 anos e estava na terceira série. Meu pai foi me buscar e quando eu entrei no carro ele mandou eu ficar quieto porque aconteceu uma "catástrofe" e ele queria escutar no rádio o que era.

Não que eu seja dos mais fãs, mas fiquei um pouco triste e chateado com a morte do rei do pop, michael jackson

K. Müller disse...

huh, eu não sou fã do michael, mas fiquei mto triste com a morte dele.
eu tbm lembro do 11 de setembro, eu tva no meu quarto vendo a reportagem...
agora esse tsunami me assustou -q
e as guerras... bom, não tem como evitá-las...
gostei daqui
bjs

Barbara Galvão disse...

Muito legal aqui
Beijos

http://falabah.blogspot.com/

Guilherme Lombardi disse...

minha irmã nasceu no dia do atentado e na mesma hora! Pra mim esse dia literalmente a terra parou!

marconi disse...

Infelizmente a Terra só "para" com desgraça.

palavras ao vento disse...

concerteza o mundo parou...nesses acontecimentos...tirando a morte do michael as e o tsunami outras coisas são guerras que ridiculos...

ਏਓ ㅤ đαиï̯ ㅤ ਏਓ disse...

Olá Tatiane! Estou passando p/avisar
que tem alguns selos p/vc em meu blog...
Quando puder passe lá... ⋆ Selos Especiais ⋆

Bjos:)

30 e poucos anos. disse...

Realmente fatos lamentáveis ... tirando a morte de MJ que foi uma fatalidade única as outras forma de enormes proporções

Ique disse...

Lembro de tudo isso e parei com tudo issio.


Mas a humanidade não pára, que desepero, todos estão correndo, todos estão seguindo.

Quase ninguém sabe para onde.

Conexaoleo disse...

O dia que mais me recordo foi o dia 11 de setembro ataque as torres gemeas...muito maassa o post!

Rodrigo Brito disse...

Esse rka era ferahhh


abrass,rodrigo brito

Fábio Flora disse...

O ataque às Torres Gêmeas é – disparado – o evento que "parou a Terra". Ele demarca um antes e depois na história recente da humanidade. Abraços e sucesso com o blog!

Games e News disse...

Muito bom !
Realmente foram momentos em que o mundo parou
tirando as guerras na minha opnião ;!

Postar um comentário

Obrigada por comentar,dúvidas sobre algum texto deixe seu e-mail e responderei,Grata!!!!